APLOG - Associação Portuguesa de Logística
Faq´s | Contactos | Links | Mapa do Site
I.LOG
Agenda: Fevereiro de 2020
S T Q Q S S D
1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29

Mês Anterior | Próximo Mês



Visita Técnica CTT
28 de fevereiro de 2020
Organização: APLOG
7ª Edição do Programa 5D5E
Lisboa – 3, 4 e 5 de março 2020
Porto – 11 e 12 de março 2020
Organização: APLOG
23º Congresso de Logística
11 e 12 de novembro de 2020
Organização: APLOG
APLOG Facebook APLOG Twitter APLOG Linked In APLOG Youtube
Início > Eventos > Congressos > 12º Congresso de Logística
SESSÕES PLENÁRIAS (2º DIA - Período da Manhã)
Logística em Tempos de Incerteza
Sessão Plenária 1 - "A logística na cidade aeroportuária e a sua ligação às infra-estruturas de proximidade"

A sessão teve início com a intervenção do moderador Carlos Magno que destacou a importância de três temas: a necessidade de planeamento no sistema logístico nacional, a estrutura geográfica de Portugal e a necessidade de um debate que incluísse as questões logísticas nas agendas nacionais relativas ao ordenamento do território, face às necessidades de infra-estruturas que beneficiem a logística.

Augusto Mateus (Augusto Mateus Associados, Lda)

A evolução histórica e a posição geográfica nacional não têm sido convenientemente aproveitadas: existem oportunidades por explorar.

A logística é uma base à geração de valor, enquanto uma fonte de conhecimento e facilitadora da operação nos mercados de nível global, que permite explorar as referidas oportunidades.

Uma cidade aeroportuária é um "site do PIB". A evolução mundial de economias sustentadas na agricultura para as economias desenvolvidas na cidade. A aglomeração das actividades empresariais (incluindo as logísticas) em redor / no perímetro de um aeroporto inserido numa rede estruturada permite o desenvolvimento das sinergias geradas pelas empresas aí localizadas.

É fundamental a definição de prioridades e investimentos inteligentes (efectuados em conjunto com diversos operadores), que permitam o desenvolvimento assente na intermodalidade e garantam o aumento de postos de trabalho e a multiplicação das actividades.

José Rocha Soares (CP carga)

Este orador apelou à necessidade de uma visão integrada na estrutura logística nacional, evidenciando que o papel de Portugal como plataforma logística exige a integração do transporte por modo ferroviário com os portos nacionais e o transporte aéreo.

A localização de Portugal poderá, em breve, beneficiar a actividade económica nacional considerando a proximidades das principais rotas de mercadorias (referência ao canal do Panamá).

O conceito de cidade aeroportuária constitui, assim, um novo paradigma que contribui para a geração de postos de trabalho e de valor.

Uma outra questão de elevada importância prende-se com a necessidade de ajustar o desenvolvimento das infra-estruturas às necessidades do hinterland e da circulação de mercadorias (referência às linhas dedicadas).

Pedro Santana (Abertis Portugal, SGPS, SA)

Nesta apresentação, foi destacada a experiência internacional da Abertis na gestão de aeroportos.

O destaque deste orador centrou-se na necessidade do desenvolvimento das actividades logísticas em Portugal, utilizando recursos nacionais (nomeadamente ao nível da construção das infra-estruturas), mas integrando empresas estrangeiras que contribuam com novos conhecimentos, novos valores e novos processos.

A. Guilherme Rodrigues (ANA)


A necessidade de ordenamento do território e do papel do planeamento e da grande obra pública constituíram as questões centrais do discurso efectuado pelo orador. Os novos investimentos não devem ser vistos apenas como substitutos mas como contributos para a integração das infra-estruturas.

O esgotar da capacidade dos equipamentos em utilização permite-nos avançar para um novo patamar através do conceito de cidade aeroportuária, uma infra-estrutura que conduzirá a uma melhoria na gestão dos processos das empresas e da logística o que favorecerá a geração de valor.

Sessão Plenária 2 - "Sistemas e tecnologias de informação, factores-chave de desempenho logístico"

Ilda Freitas (SAP) iniciou a sua apresentação descrevendo o universo SAP.

O destaque deste comentário vai para a importância das aplicações no apoio ao sistema logístico.

A evolução da cadeia de abastecimento de uma estrutura linear para uma estrutura em rede constitui uma das principais mudanças a ter em conta pelos agentes que se dedicam a esta temática.

A preocupação das organizações deve consistir na procura pela excelência ("best in class") quer como organização individual, quer na parceria (desenvolver as capacidades "best in class" na rede).

Mário Oliveira (ROFF)

Em tempos de incerteza é fundamental acompanhar a evolução diária do negócio.

Os sistemas e as tecnologias de informação devem acompanhar a estratégia na procura por soluções inovadoras possibilitando a optimização da cadeia de abastecimento e que rapidamente (acompanhamento em tempo real das operações no "terreno") se adapta a oferta às necessidades dos clientes.

Por outro lado, as metodologias de implementação e as soluções de apoio devem permitir às empresas menos sofisticadas o aumento dos níveis de eficiência em simultâneo com o controlo dos custos.

José Fernandes (Microsoft)

O presente orador iniciou a apresentação com a definição do conceito de "cloud computing", como a colocação dos recursos (computadores, armazenamento, sistemas operativos, serviços de valor acrescentado) na internet, constituindo uma nuvem disponível na generalidade dos lugares.

Este conceito é fundamental uma vez que permite a gestão integrada de todos os meios disponíveis e garante a unificação dos processos.

O cloud computing responde aos desafios que se colocam às empresas no processo de integração das organizações, num cenário no qual verificamos a frequente necessidade de aplicações a um nível multi-empresarial.

Sessão Plenária 3 - " As melhores Práticas Logísticas na Europa/ ELA" - European Logistics Association

Peter Frank (TU Berlin - Universidade Técnica de Berlin), veio a Portugal apresentar o The Bestlog Project - Achievements and Future Challenges. Começou por definir o objectivo da BestLog, que visa estabelecer uma plataforma europeia para a recolha e divulgação activa de Boas Práticas (social, económica e ambiental) de Logística, através da melhoria da prática na Supply Chain, a redução das diferenças em toda Europa bem como impulsionar o crescimento económico e incremento do emprego.

Continuou por descrever a plataforma, onde destacou os Estudos de Casos reais de empresas a actuarem em boas práticas, podem ser consultados na plataforma web, e ainda falou da Base de Dados de cursos de logística (a maior base de dados na Europa).

A seguir e por fim definiu o conceito de sustentabilidade da Cadeia de Abastecimento que integra a vertente social, económica e ambiental estabelecida na Supply Chain. Ilustrou ainda exemplos de aplicação com sucesso do conceito.
Sessão Plenária 4 - "Da Logística da Energia à Energia na Logística: um contributo para o (Re) Equilíbrio da Balança de bens e serviços e para o desenvolvimento sustentável"

Eurico Dias (ISCTE)

Inicialmente foi evidenciado o contributo deste estudo para a logística, suportado pela importância do sector energético no impacto ambiental e económico.

Vitória Travanca

Posteriormente foi identificada (sob o ponto de vista formal) a estrutura da cadeia de abastecimento do petróleo e do gás natural (duas matérias energéticas que correspondem a aproximadamente 90% da energia importada por Portugal), através da descrição das actividades, dos recursos e dos agentes envolvidos.

O contributo da logística para a cadeia dos produtos petrolíferos (gasolina IO95 e gasóleo rodoviário) foi identificado como aproximadamente 167 milhões de euros em 2008 (€0,03/litro) e o contributo para o gás natural como 358 milhões de euros no ano gás 2008-2009 (€0,08/metro cúbico).

No total o contributo da logística para a cadeia de abastecimento destes 3 produtos foi certamente superior a 525 milhões de euros (0,316 do PIB de 2008).

João Fonseca

Contributo do outsourcing da actividade logística na eficiência energética na cadeia de abastecimento" - João Fonseca - deu início à sua apresentação, ao explicar a relevância do tema, pela necessidade das empresas irem a procura de soluções que lhes permitam reduzir os seus custos de produção, diminuir os consumos de energia e eliminar de forma progressiva as emissões de CO2.

Passou por ilustrar a evolução do sector logístico em Portugal, onde deu destaque ao facto de que em 2006, a facturação do transporte e a distribuição teve maior peso (192M€), do que o armazenamento e as operações dentro dos armazéns (180M€).

A intervenção prosseguiu com a apresentação de um Estudo de Caso, sobre o Outsourcing, em que foram apresentadas as realidades antes e após a externalização de serviços logísticos, onde se destaca que o gasto na área do armazém da empresa do estudo, passou a ser somente pelo espaço ocupado e pelo trabalho inerente ao mesmo, houve também uma substancial redução dos recursos humanos.

Ainda, a empresa do estudo sobre contributo do outsourcing logístico na eficiência energética na Suplly Chain teve entre outras as seguintes conclusões em termos percentuais: uma poupança de 79% no armazém e 19% de custos administrativos, 2% de custos com transporte por ano.

Da conclusão do trabalho destaca-se a seguinte frase "Os Operadores Logísticos vão ter que estar cada vez mais atentos às questões ambientais e às mais-valias que podem trazer aos seus clientes, através de medidas que permitam atenuar as emissões de CO2 para a atmosfera e reduzir o consumo de energia."

Sessão Plenária 5 - Concretizar o futuro: as necessidades dos clientes no horizonte de 2020

O orador convidado Costa Faria, estruturou o seu discurso com base num estudo no seguimento do tema da sessão e após uma breve apresentação sobre os objectivos e propostas da empresa, a DHL.

De entre várias questões, os temas essenciais do estudo ( antevisão do futuro) incidiram sobre o comportamento do consumidor entre hoje e 2020, que condições económicas e políticas o irão influenciar e por fim que caminho estratégico deverão as empresas seguir.

Das várias conclusões que se retiraram do estudo começou por referir a questão da energia nuclear, será um mal necessário, temporário e transitório, prevê-se que as energias renováveis até 2020 se ocuparão de 50% do consumo de energia e haverá uma maior consciencialização global, sendo por isso a redução de CO2 uma prioridade, prevê-se ainda uma contínua movimentação das populações em relação ao binómio urbanidade vs ruralidade.

"É necessário prever e discutir tendências globais, mesmo que sejam polémicas ou contraditórias".

Foco ainda no desenvolvimento das novas tecnologias e da sua inserção na vida diária, na exigência de conforto e de valores por parte do consumidor.

Para concluir referiu que a longo prazo as notícias são animadoras para a logística, uma vez que se prevê um melhoramento contínuo da economia, levando a uma consequente evolução na logística, com colaboração e competição em simultâneo (coopetição).
Topo
Hiperligações Rápidas
País Convidado Brasil